Todos os posts de regianeavila

Conhecendo o EAT Empório

Quem mora em São Paulo sabe que todos os dias aparecem lugares novos para se conhecer. A diversidade por aqui é enorme.
Porém, em minha opinião, acabo muitas vezes me decepcionando por achar que o custo sai sempre muuuuito maior do que o benefício.
São Paulo hoje é uma das cidades mais caras do mundo e, infelizmente, na maioria das vezes, os preços não justificam o produto oferecido.
Minha pesquisa gira em torno do que é bom e acessível.
Bem, já que o barato é quase impossível, que possamos usufruir daquilo que, pelo menos, seja honesto.
Hoje conheci um desses lugares, o EAT Empório.

Fachada1-459x308

Barato? Nem pensar!
Mas, é o tipo de lugar que você consegue se sentar, pedir uma comidinha e escolher seu vinho na prateleira da Adega e pagar o preço da importadora e não  absurdo dos preços praticados em restaurantes.
O lugar é incrível! É um galpão com pé direito alto e vários ambientes.
O restaurante, tem cardápio enxuto, mas com opções para todos os gostos.
Ficamos nos petiscos, pois estava muito calor.
Tudo saboroso e fresco, principalmente os frutos do mar.
Um detalhe: a água consumida é grátis e à vontade, como em outros países!

O restaurante conta com a ajuda de uma sommelière e a loja de vinhos também tem um especialista, o Bruno, que me deu ótimas dicas sem ficar me impondo os vinhos mais caros.
Sabem como é, não é mesmo?

eat04

ADEGA, com vários rótulos e faixa de preços:

eat03

Balcão de cervejas gourmet:

eat02

Feirinha de produtos orgânicos:

eat01

Além de cafeteria, padaria, uma lojinha com produtos gourmet e uma livraria, acredita?
Um lugar para ir sem pressa e com atendimento impecável.

Lugares como esses devem ser preservados em São Paulo.

Santé!!!
(fotos do site oficial do Eat)

Abaixo, nossas fotos, com nosso vinho e comidinhas!

Esse vinho da Alsacia é sensacional. Um ótimo custo benefício.
Um incrível corte de Gewürztraminer, Muscat, Pinot Gris, Riesling e Sylvaner.
A sensação que você tem ao degustá-lo, é de estar em um jardim cheio de flores perfumadas se refrescando com algo com leve acidez e extremamente saborosa. Puro êxtase! R$ 64,00.
2013-01-06 13.49.23

Ceviche de polvo, camarão e lula.

2013-01-06 13.49.55

Bruscheta de tomate e manjericão.

2013-01-06 14.18.46

Tortinha de morango para finalizar

2013-01-06 14.57.26

Foto da Adega

2013-01-06 14.49.36 2013-01-06 14.48.52 2013-01-06 14.48.43

Muito bom!
Vai lá!

Avenida Doutor Cardoso De Melo, 1191 | Itaim Bibi
telefone:            (011) 5643-5353

O poeta Manoel de Barros e o vinho, que tira sua timidez!

A edição deste mês da Revista da Cultura, exemplar gratuito publicado pela Livraria Cultura, está impecável.

2012-12-13 22.29.46
Tem uma imperdível entrevista com o poeta Manoel de Barros, que completará 96 anos, dia 19 de dezembro.
Reproduzo aqui alguns trechos:

RC: Com os 96 anos que se completam este mês, o viver muito e lúcido é uma dádiva ou em alguma circunstância chega a ser um tormento?
MB: Não tenho explicações para os 96. Se a gente faz só o que gosta, ajuda.  Mas isso é “um privilégio”.  Só faço inutilezas.

RC: É possível, afinal de contas, definir o que é poesia?
MB: É o mel da palavra.

RC: A sua fama de ser recluso é, de alguma maneira, aversão ao “estrelato”?
MB: Sou tímido. Só isso. Um gole de vinho me tira a timidez.

RC: Você acredita que o mistério nos completa? Quem é Deus, pelo menos para poesia?
MB: Deus é o verbo. O que faz. O que abastece o meu mistério.

RC: E o que é ser poeta?
MB: Fôssemos talvez merecidos de água, de rãs, de árvores, de pedras, de brisa, de garças.
A gente dementava as palavras – porque sempre tínhamos visões. Hoje eu vi um lagarto lamber as pernas
da manhã. Tínhamos desapetite para copiar. Gostávamos de transver a natureza. A gente não gostava de informar, mas só cantar.
As palavras não tinham comportamento. Nossa palavra era a raiz – vinha de nossas raízes. E moravam na infância sem comportamento.
Quem nasce poeta tem que se conformar que é meio parvo, meio tonto e meio cego.
Sempre usávamos visões como esta. Eu vi um prego primaveril! Temos de estudar ignoranças para saber o formato do silêncio e a cor dos arrebóis.
A infância sendo a raiz de nossas palavras, tem que trazer a inocência com ela. E a palavra inocente há de vir enrolada em seus caracóis.
Então, o poeta poderá cometer todos os erros de linguagem, porque está amparado na liberdade de ser ainda raiz.
Temos que desver a natureza para inventar outra.
Assim: hoje eu vi uma garça com olhar de oceano.
Por tudo isso e por isso que o poeta tem que se conformar que é um tonto ou um parvo!
Por fim: o que forma a imagem poética não é o VER, mas o TRANSVER.

2012-12-13 22.30.20

Para saber mais sobre Manoel de Barros, clique aqui.

Atum ao forno e vinho rosé

Nem sempre a vida é fácil ou as coisas acontecem da forma que esperávamos …
Mas, para mim, nada como ir para a cozinha para acalmar os ânimos e acalentar o coração.
Ainda no meu trabalho, decidi que iria para a cozinha quando chegasse em casa. Chega de tristeza!

Decidi fazer o atum e, como é uma carne muito seca, imaginei fazê-lo tipo escabeche, para ficar úmido.
Rapidinho, peguei umas ervas no meu “quintal”, tomatinhos, cebola roxa e voilá: tudo para o forno!

2012-12-11 19.48.35

Pensando na harmonização, decidi por um rosé 100% Cabernet Sauvignon, que foi me apresentado pelo sommelier André O Breu do Empório Mercantil.
Elaborado pelo enólogo François Massoc, com uvas de um único vinhedo, no Vale do Cachapoal, Chile, esse rosé levou 89 Pontos no Guia Descorchados 2011.

Com aromas muito frutados, me remeteu à goiaba vermelha e frutas frescas. Na boca é gordo e tem uma acidez ótima com final longo.
Harmonizou muito bem com o atum e o tomate.

Custa R$ 45,00 no Empório Mercantil.

2012-12-11 20.27.38

Acabei minha noite feliz com o resultado e relaxada. Muito bom!

2012-12-11 21.03.11 2012-12-11 21.02.31

Degustando a Vida com Vinhos Argentinos

IMG_9092

A convite da minha amiga Ana Flavia Medina, essa semana tive o prazer de conduzir uma degustação sobre Vinhos Argentinos para um grupo de amigos dela, que viajará para a Argentina.

Depois de falar um pouquinho das principais regiões e de algumas uvas, principalmente as emblemáticas Malbec e Torrontés, fizemos uma degustação às cegas.

Vinhos degustados: Torrontés, Chardonnay, Malbec e Pinot Noir.
Foi bem divertido, e o pessoal interagiu bastante!

IMG_9115

Para completar, fizemos alguns exercícios de harmonização.

Servi salmão defumado com dill, tapas de carpaccio com azeite aromatizado de alecrim, tapas de tomate com presunto cru, queijo parmesão e bolinhos de bacalhau.

Degustando a vida 15  Degustando a vida 18  Degustando a vida 16

Para ensinar alguns conceitos de degustação, sem ficar um coisa chata, sugeri que preenchêssemos uma ficha de degustação, dando notas aos vinhos e anotando as melhores harmonizações.

Degustando a vida 7

Passamos momentos muito agradáveis.

Na degustação às cegas, houve dúvidas sobre as uvas do vinho branco.
Já no tinto, estava mais claro. Na verdade, minha intenção foi mais de mostrar as diferenças entre as duas castas: Malbec e Pinot Noir.

IMG_9100

Na harmonização, houve bastante discussão.
Essa era a minha intenção: instigar a observação do gosto, dos aromas. Muito bom!

O salmão, em minha opinião harmonizou com o Torrontés, principalmente por causa do delicioso aroma do Dill.
As tapas de carpaccio foram muito bem com o Malbec.
As tapas de presunto deram muito certo com o Pinot, por causa do tomate sweet.
Os bolinhos de bacalhau com o Chardonnay.
O queijo parmesão foi bem com todos!

Espero que tenham gostado!

IMG_9111

Fim de degustação!

Degustando a vida 1

Fotos: Ana Flavia Medina

Vinhos degustados que comprei no Empório Mercantil:

VINHO DON DAVI

Vinho Michel Torino Don David Torrontes

País : Argentina
Região:Cafayate
Produtor: Michel Torino
Tipo: Branco
Uvas: Torrontes
Graduação Alcóolica: 13,90%
Safra: 2010
Temperatura do serviço: 8c a 10c
Passa 3 meses por carvalho
Site do produtor: http://www.micheltorino.com.ar

VINHO ALTA VISTA

Vinho Alta Vista Premium Chardonnay
País : Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Alta Vista
Tipo: Branco
Uvas: Chardonnay
Graduação Alcóolica: 13,90%
Safra: 2010
Temperatura do serviço: 8c a 10c
30% passou 6 meses por carvalho
Site do produtor: http://www.altavistawines.com

ALTO LAS HORMIGAS

Vinho Altos Las Hormigas Malbec
País : Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Altos Las Hormigas
Tipo: Tinto
Uvas: Malbec
Graduação Alcóolica: 13,90%
Safra: 2011
Temperatura do serviço: 16c a 18c
Uma parte passou 9 meses por carvalho
Site do produtor: http://www.altoslashormigas.com

udwe-pinot-noir

Vinho UDWE by Marcelo Miras
País : Argentina
Região: Patagônia Argentina
Produtor: Marcelo Miras
Tipo: Tinto
Uvas: Pinot Noir
Graduação Alcóolica: 14,40%
Safra: 2010
Temperatura do serviço: 16c a 18c
Uma parte passou 8 meses por carvalho

Degustando a vida 2

Receitinhas:

Torradas com Salmão Defumado

Temperar o Salmão Defumado com sal, pimenta do reino e azeite
Usar limão, se quiser (eu não usei)
Dill

Torradas
Manteiga

Montar cada torrada com uma fatia generosa de manteiga
Salmão
Dill

————-

Tapas de Carpaccio de Lagarto

Carpaccio
Aromatizar o azeite com alho e alecrim
Aquecer o pão, retirar do forno, passar um dente de alho no pão
e montar a tapa com o carpaccio e regar com o azeite
Finalizar com pimenta do reino

————-

Tapas de Presunto Parma

Refogar tomate sweet com alho e azeite até ficar bem molinho (não colocar água)
Aquecer o pão, retirar do forno, passar um dente de alho no pão
colocar o molho no pão
finalizar com presunto parma e azeite

————-

soneto

Para encerrar, uma poesia sobre vinhos de um grande poeta argentino,

Jorge Luis Borges

“SONETO DEL VINO”

¿En qué reino, en qué siglo, bajo qué silenciosa 
Conjunción de los astros, en qué secreto día 
Que el mármol no há salvado, surgió la valerosa 
Y singular ideia de inventar la alegria?

Com otoños de oro la inventaron. 
El vino fluye rojo a lo largo de las generaciones
Como el río del tiempo y en el arduo camino
Nos prodiga su música, su fuego y sus leones.

En la noche del júbilo o en la jornada adversa
Exalta la alegria o mitiga el espanto
Y el ditirambo nuevo que este día le canto

Otrora lo cantaron el árabe y el persa.
Vino, enseñame el arte de ver mi propia historia
Como si ésta ya fuera ceniza en la memória.

“SONETO DO VINHO”

Em que reino, em que século, sob que silenciosa
Conjunção dos astros, em que dia secreto
Que o mármore não salvou, surgiu a valorosa
E singular idéia de inventar a alegria?

Com outonos de ouro a inventaram. 
O vinho flui rubro ao longo das gerações
Como o rio do tempo e no árduo caminho
Nos invada sua música, seu fogo e seus leões.

Na noite do júbilo ou na jornada adversa
Exalta a alegria ou mitiga o espanto
E a exaltação nova que este dia lhe canto

Outrora a cantaram o árabe e o persa.
Vinho, ensina-me a arte de ver minha própria história 
Como se esta já fora cinza na memória.


Agradecimentos:

  • Ana Flavia Medina pela oportunidade e confiança;
  • Minha filha Rebeca Avila pela assistência;
  • André O Breu, sommelier do Empório Mercantil, que me ajudou com os vinhos;
  • Meus amigos Raúl Javales, Evelyn Fligeri e Luciano Teixeira  que me ajudaram com sugestões;
  • Novamente o Luciano que me emprestou as taças ISO.

Conhecendo o BARDEGA Wine Bar

bardega3

Como sempre, vou garimpando lugares bacanas para degustar um bom vinho e a vida.

Estive ontem, dia 30/11/2012 no Bardega Wine Bar, aberto há apenas 1 mês.
Além do ambiente super agradável e bonito, o que mais chama a atenção é a proposta de se tomar vinhos em doses.
Uma ótima oportunidade para se degustar vários rótulos em uma noite só.

O BARDEGA conta com 110 rótulos distribuídos em 12 máquinas Enomatic.

Logo na entrada o cliente recebe um cartão de consumação individual e o utiliza para inseri-lo na máquina, servir-se do vinho que escolher, na dose que desejar (30 ml, 60 ml ou 120 ml).

bardega01

Auxiliada pelo meu amigo, o Sommelier Aldo Assada, degustei os seguintes vinhos:

Michel Picard Puligny-Montrachet 1er Cru “Les Chalumax” AOC
(Borgonha, França)2012-11-30 19.38.39 V2
Chateau de Tracy Poully-Fumé Mademoiselle de T      (Loire, França)
2012-11-30 19.59.07
Virginie de Valandraud   (Bordeaux, França)

2012-11-30 20.51.41

Um melhor do que o outro!

Além de petiscos deliciosos. Uma delícia!

Vai lá!

Endereço: Rua Dr. Alceu de Campos Rodrigues, 218
Telefone: (11) 2691-7578
Horário de Funcionamento: terça a domingo, das 18h30 até o último cliente

Participando do Curto-Circuito Dúnamis 2012

Dia 21/11/2012 tive a oportunidade de participar de uma degustação especial da Vinícola Dúnamis, onde, além de apresentar seus vinhos descomplicados, na campanha “Shall We Dance? “, tivemos o privilégio de degustar o seu Merlot Branco.
O Evento aconteceu no Espaço Refúgio Enoteca e Bistrô (Av. Lavandisca, 519) que está abrindo suas portas. Que lugar!

Fotos Jane Prado

A degustação foi conduzida pelo meu amigo e diretor-executivo da DúnamisJúlio César Kunz.

Júlio nos contou sobre a proposta da Dúnamis, da qual eu super me identifico, de descomplicar  o vinho, trazendo-o para o nosso dia a dia.
A proposta se materializa a partir do design dos rótulos super descontraídos e de bom gosto, das propostas dos nomes dos vinhos como “Tom” inspirando musicalidade, “Cor”, a arte, “Ser”, a essência de algo e “Ar”, a alegria da vida, justamente este, um espumante brut charmat.


Outro detalhe interessante, é que, por proposta, nenhum vinho da Dúnamis passa de 12 %. Isso significa que são vinhos fáceis e aderentes ao nosso clima.

A degustação foi impecável, com uma mini-aula do Júlio sobre vinificação, justamente para explicar a forma como o Merlot branco é vinificado.

Na verdade, o Merlot para o vinho branco, é colhido antes, como as uvas brancas e vinificado sem a casca.
Existe um top secret para explicar porque ele não fica rosado …
Bem, esse é o segredo da Dúnamis. Sempre inovando.

Lembrando que existem vinhos Merlot brancos em alguns outros lugares, tais como Estados Unidos e Itália.
Mas, no Brasil, esse é o primeiro!
Degustei e gostei muito. Tanto que trouxe um para morar em minha adega.

É totalmente diferente do Merlot tinto. Senti sim, goiaba … a tal goiaba dos rosés …
Senti frutas e flores.
Uma sensação interessante foi a de um aveludado na boca. Diferente dos brancos que não passam por barrica.

Muito bom.

Aqui, um exercício interessante. Degustamos 0 Merlot branco e o Merlot tinto.

Olha quem foi lá prestigiar o evento … nosso mestre!

A Dúnamis está de parabéns por ousar e agradar!

Esse vinho está à venda na Enoteca Refúgio e custa R$ 46,00.
Essa sou eu … sempre tentando aprender algo! Obrigada!

 

Jantarzinho em casa para testar nova receita: Farfalle ao Vôngole

Voltando para casa hoje, fiquei pensando em uma receita nova.
Coisa que sempre faço. Imagino ingredientes e sabores.

Pensei em um peixe, mas só tinha um salmão que já separei para o ceviche do final de semana. Então, achei uns vôngoles … Oba! Vamos testar!

Refoguei os vôngoles com ervas, cebola e alho no azeite.

E, quando pronto, coloquei o creme de leite e pimenta-do-reino.

O segredo ficou no macarrão que, assim que estava cozido, além da tradicional manteiga, coloquei limão.

Misturei o molho e o restante, servi por cima.

Como hoje, particularmente, estou inspirada, decidi abrir um vinho que adoro e que já estava mesmo na hora de ser degustado: Chignin Bergeron 2006

Bem, pela cor você já percebe que o vinho está bastante evoluído, embora esteja impecável. Pra falar a verdade, me surpreendeu, pois não tinha nenhum sinal de oxidação.
Um vinho aromático, senti bastante abacaxi, depois pêssego, mel … Muito bom.

O creme de leite do molho, mais o grana-padano que servi por cima, harmonizaram muito bem.

Santé!

                

Degustando a Vida na Serra Gaúcha, Vinícola Vallontano

Meu último dia de visitas foi também o dia de encontrar as pessoas que motivaram a minha viagem: Talise e Luís Zanini, proprietários da Vinícola Vallontano.

Nos conhecemos pelo Facebook, em função das discussões do polêmico pedido de Salvaguardas e, aos poucos, fomos percebendo que nossas afinidades iam além do nosso amor ao vinho: nossos valores e ideais!
No encontro da Mistral, quando conheci pessoalmente o Luís e falei ao telefone com Talise, decidi que minha próxima viagem seria para visitá-los!

Era um dia lindo, ensolarado e, ao estacionar na Vallontano, logo avistei Talise me aguardando.

Que emoção! Um sorriso no rosto, um beijo, um abraço apertado.
Nos sentamos para um papo sem pressa, regado ao mítico Peverella, Era dos Ventos (Era dos Ventos, um projeto idealizado por Luis Zanini, Álvaro Escher,e Pedro Hermeto, que faz apenas pequenas produções)
Impecável e Singular!

Mais tarde, Luís chegou para nos fazer companhia e completar nosso esperado encontro. Um encontro tão agradável, como se já fôssemos velhos amigos!

Almoçamos na Vinícola, no Vallotano Bistrô-Café, uma massinha recheada de abóbora com molho de nozes, que harmonizou divinamente com o Peverella, se bem que esse vinho precioso nem precisa de harmonizações!
Foi lá mesmo que fizemos as degustações.
Em minha modesta opinião, digo que os vinhos da Vallontano são vinhos  que revelam as características do terroir do Vale dos Vinhedos e a  personalidade singular do seu enólogo Luís Henrique Zanini.
Apoiado por sua brilhante esposa Talise, eles não se rendem às super produções, ao gosto institucionalizado e aos padrões estabelecidos.

Agradeço demais a oportunidade de partilhar tão bons momentos juntos, regados à vinhos fantásticos. Tudo perfeito! Muito obrigada!

          

  

Tomo a liberdade de reproduzir a poesia de Luís Zanini:

“Beber o dia como se fosse noite
Beber a lágrima como se fosse mar
Beber a luz como se fosse alma

Beber tua boca como se não fosse flor
Beber teus olhos como quem não toca as mãos
Beber teus sonhos como quem rouba a lua

Beber dos ventos, confundir o tempo,
Beber da Era a solitária valsa
Beber das terras, as chuvas, e os sóis, entorpecer

Morrer de vinhos, moinhos de mim…
(outrora vez)
Beber o fim.”

Vida longa às pessoas singulares! Saúde!

Para maiores informações, clique aqui.

Degustando a Vida na Serra Gaúcha, Vinícola Estrelas do Brasil

Minha viagem à Serra foi uma aventura pois não tive tempo nenhum para planejá-la.
Mas tudo foi tão perfeito que, embora eu não tenha conseguido visitar todas as Vinícolas que eu gostaria, as que consegui, foram visitas de qualidade. Para conhecer, conversar e degustar sem pressa. Melhor assim.

Foi em um contato telefônico que marquei com Irineo Dall’Agnol sócio proprietário da Vinícola Estrelas do Brasil.
Eu não o conhecia pessoalmente, nem conhecia sua Vinícola, mas, liguei o GPS e lá fui eu!
Quando cheguei, me deparei com uma paisagem de tirar o fôlego! Curtindo esse visual, avistei um homem vindo em minha direção e afirmei:
– Eu não acredito que você mora nesse lugar!
Ele me respondeu:
– Agora moro! Vamos caminhar!

E foi nessa paisagem, que conheci todo o espaço, e que Irineo me contou sobre seus futuros projetos. Um deles já está quase pronto: o espaço para degustação e harmonização.

Fiquei encantada com as ideias desse cara espontâneo, cheio de projetos!
Depois da caminhada, fomos aos vinhos, que Irineo fez questão de abrir para mim.
A qualidade e personalidade me surpreendeu demais!
O Espumante Brut foi campeão, e não tive como dispensá-lo, como fazemos nas degustações. Pegamos uma garrafa e fomos degustá-la assistindo à um pôr-do-sol inesquecível.

Eu, degustando a vida!
 

Meu amigo Irineo e seu fabuloso espumante Brut Champenoise!

E todos os seus vinhos. Sensacionais!
               

                

                

E, como nessa vida não há coincidências, Irineo me surpreendeu com uma camisa que ele mandou pintar há muito tempo atrás. Vejam o que está escrito! Ganhei de presente! Amei!

Só posso agradecer simpatia e hospitalidade desse talentoso enólogo e dizer-lher  que me aguarde, pois voltarei em breve. Vai lá Estrelas do Brasil!